terça-feira, fevereiro 28, 2006

"O Silmarillion", resumido e anotado III

Fëanor, filho mais velho de Finwë rei dos Noldor, foi o maior artesão de todos os tempos. Febrilmente absorvido pela ânsia de produzir, foi também fecundo e teve sete filhos, o que era invulgar nas famílias de elfos. Foi ele que desenvolveu as runas da escrita, mas a sua maior realização foi sem sombra de dúvidas as jóias chamadas silmarils. As silmarils eram três gemas de rara beleza e poder que continham dentro delas a luz das árvores de Valinor. A princípio, nos tempos de inocência, Fëanor usava as silmarils em público e todos podiam admirar a perícia do seu trabalho. Mais do que por ser o príncipe herdeiro dos Noldor, Fëanor tornou-se também apreciado e respeitado devido ao seu incalculável talento.
Mas eis que Melkor é libertado, e vê as silmarils. E também as desejou só para si.

[Porque no princípio, antes da criação do mundo, era a Luz que Melkor queria possuir, mas não a encontrou porque a Chama Imperecível pertencia apenas a Ilúvatar. Por isso Melkor amava e fogo e, na sua frustração, refugiava-se nas trevas, exactamente o contrário da Luz.]

Ora, Melkor saiu da sua prisão de três eras ainda mais enraivecido do que antes mas fingiu-se modificado e começou a ensinar muitas coisas aos Noldor. Os elfos de Ingwë não gostavam dele e os Teleri das praias de Alqualondë não lhe pareciam dignos de atenção. Mas já os Noldor não perdiam uma ocasião de aprender mais sobre todos os ofícios em que Melkor era mestre. E Melkor encontrou neles os ouvidos privilegiados para semear o seu mar de mentiras. Porque Melkor odiava os Elfos e culpava-os pelo confronto que o tinha oposto aos outros Valar, e contra eles era especialmente dirigida a sua vingança. E para isso o seu primeiro propósito foi virar os Elfos contra os Valar, e ao mesmo tempo, se possível, os Elfos uns contra os outros. Desse grande mal a terra de Arda jamais se curou e Melkor acabou, no fim, por triunfar.
Não lhe foi muito difícil fazê-lo. Aos filhos de Finwë divulgou rumores de que o filho da primeira esposa, Fëanor, queria afastar Fingolfin e Finarfin, os filhos da segunda, da tomada de decisões do pai, o rei. E a Fëanor fez chegar a mesma desconfiança a respeito de Fingolfin e Finarfin, a ponto de envevenar de tal modo os irmãos uns contra os outros que todos começaram a forjar armas, convencidos de que eram os únicos a fazê-lo. Fëanor tornou-se cioso das suas jóias e meteu-as num cofre, onde ninguém lhes podia pôr em vista em cima e muito menos as mãos.
A todos os Elfos, Melkor fez saber, mas não directamente para que os Valar não desconfiassem dele, que depois dos Elfos viriam ao mundo os Homens, de quem os Valar de facto não tinham falado aos elfos porque não sabiam o dia nem a hora dessa chegada. E começou a criar intriga, fazendo os elfos suspeitar que os Valar lhes tinham escondido a verdade e os mantinham ali em Valinor, prisioneiros, para que os Homens tomassem conta da Terra-Média e suplantassem os Elfos para sempre.
O ambiente em Valinor tornou-se pesado. Fëanor não gostava de Melkor e nunca falava com ele pessoalmente, mas os boatos venenosos tinham-lhe chegado aos ouvidos por outros meios. E certa noite, ao chegar ao palácio do pai, encontrou um dos irmãos a falar baixo com o rei, como quem conspira. Impetuoso como era, pensou que os rumores eram de facto verdade, puxou da espada, apontou-a ao irmão e ameaçou-o de morte.
Por este crime de ter levantado a espada contra o irmão, os Valar chamaram-no a julgamento e foi então que se soube de todas as mentiras que Melkor andava a espalhar em Valinor aos ouvidos dos Elfos. Ao ser descoberto, Melkor fugiu em forma de nuvem, porque nessa altura ainda tinha um ser incorpóreo, e voltou a esconder-se antes que os outros Valar o pudessem deter.
Mas o julgamento também foi pesado para Fëanor. Foi condenado a permanecer doze anos no exílio, fora de Valinor, apesar de o seu próprio irmão o ter perdoado. O rei Finwë, contudo, não abandonou o filho e disse que enquanto este estivesse no exílio também não entraria em Valinor.
Foi por isso que, quando Manwë decidiu organizar um grande festival para reconciliar os Noldor uns com os outros, Fëanor apareceu porque tinha sido convocado, e não levava roupa de festa nem as silmarils, mas o seu pai, orgulhosamente, recusou-se a comparecer.
Eis o princípio da tragédia e o começo da Guerra das Jóias. A partir daqui o destino de Arda ficou para sempre manchado pelas mentiras de Melkor, mas sem o desejar ou sem disso ter conciência, Fëanor, o maior inimigo de Melkor, acabou por ser, ironicamente, e devido à cegueira do seu orgulho, a maior arma para o cumprimento dos desígnios do senhor de Angband.

Outra grande história é a de Melkor e Ungoliant. Melkor finge que foge para a Terra-Média mas em vez disso vai às regiões de Avatar, a sul de Aman, onde habita Ungoliant, outro espírito desencaminhado pela maldade de Melkor que permanecia aí em forma de gigantesca aranha, alimentando-se da luz das Árvores de Valinor e tecendo grandes teias de escuridão. Melkor convence Ungoliant a voltar a Valinor, escondendo ambos nas suas teias tão negras que eram impenetráveis até para os olhos dos Valar, em troca das silmarils e da luz das Árvores. E como Ungoliant tivesse medo de enfrentar os Valar, Melkor tentou-a com a sua palavra de honra: “Sim, com as duas mãos te darei as silmarils”.
E Ungoliant não resistiu. Tecendo grandes teias em volta de ambos, ajudou Melkor a regressar a Valinor sem que os Valar dessem por isso, e chegaram às Árvores, e Ungoliant bebeu-lhes o suco até as mirrar. No momento em que decorria o festival, Valinor ficou às escuras e houve silêncio em toda a terra de Aman. Só se ouvia, ao longe, o cantos dos Teleri, que viviam na costa.
Mas Ungoliant não ficou por aqui. A seiva luminosa das Árvores tinha sido armazenada em grandes tanques. Também esses ela bebeu e tornou-se enorme, tão medonha que o próprio Melkor teve medo.
Mas Melkor também não ficou por aqui. Foi à casa de exílio de Fëanor, assassinou o rei Finwë (o único que não tinha fugido da escuridão e o único valente que se lhe atravessou ao caminho), e roubou as silmarils. Só então fugiu com Ungoliant para a Terra-Média, através do estreito gelado de Helcaraxé, que unia Aman ao outro continente.
Aí, Ungoliant pediu-lhe as jóias. A contra gosto, Melkor abriu uma mão e deu-lhe todas as gemas que estavam no cofre de Fëanor, mas as silmarils guardou na outra, embora o queimassem, porque as silmarils tinham sido abençoadas pelos Valar e não podiam ser tocadas por mãos maléficas. Mas Ungoliant insistiu: “Com as duas mãos. Ainda só me deste com uma mão. Agora dá-me o que tens na outra.”
Foi aqui que Melkor recusou, e Ungoliant, que se tornara tão grande e poderosa que o atemorizava, teceu sobre ele uma grande teia e aprisionou-o, mas Melkor deu um grito que fez tremer toda a terra e chamou a ele os seus balrogs e todas as criaturas que o aguardavam em Angband. Foi assim que os vassalos libertaram o líder e Ungoliant foi forçada a fugir para sul.
De Ungoliant não se sabe mais nada excepto que foi dela que nasceu toda a prole de aranhas gigantes da Terra-Média, e Tolkien sugere que a progenitora de todos esses monstros acabou por chegar a Harad onde, esfomeada, se devorou a si própria.
Melkor voltou para Angband de onde quase nunca mais saiu e fez para si uma coroa onde colocou as três silmarils.

Em plena escuridão, em Valinor, os Valar apercebem-se do mal que tinha sido feito e Yavanna, criadora das árvores, diz que não pode criá-las uma segunda vez, por isso pede a Fëanor que lhes ceda as jóias para tentar “curar” as árvores moribundas. Mas Fëanor não cede, porque para ele as silmarils também eram um trabalho que não podia fazer de novo. E assim que nega o pedido, chegam as notícias da morte de Finwë e do roubo das silmarils. Furioso e desesperado, Fëanor amaldiçoa os Valar por o terem chamado ali enquanto, pensava ele, devia ter estado a proteger o pai. Amaldiçou também Melkor e a partir daí todos os Noldor lhe passaram a chamar Morgoth e o nome Melkor nunca mais foi pronunciado pelos Elfos.
Agora Fëanor era o rei dos Noldor e a sua raiva não conhecia limites. Desrespeitando a proibição, entrou em Tirion e convocou a si todos os Elfos. Disse-lhes palavras tão poderosas que convenceu a maioria de que ali não passavam de escravos dos Valar, aprisionados em Valinor para não terem poder na Terra-Média, e que tinham de perseguir Melkor e partir para a guerra se não eram um povo de cobardes, e que, afinal, também Morgoth era um Valar por isso os outros não deviam ser muito diferentes dele.
Tanta coisa disse, fruto do veneno que Melkor tinha espalhado e da sua própria raiva, que os Noldor decidiram segui-lo imediatamente. E Fëanor e os seus sete filhos fizeram também um juramento, por Manwë e por Ilúvatar, que fariam a guerra a Valar ou Elfo ou Homem que os tentasse impedir de recuperar as silmarils.
Até ali, os filhos de Fingolfin e Finarfin tinham sido como irmãos para com o tio Fëanor, mas eis que o juramento os dividia. Os dois meios irmãos de Fëanor e os seus sobrinhos Turgon, filho de Fingolfin, e Finrod, filho de Finarfin, tentaram demover os Noldor, mas em vão. E mais ainda em vão porque Fingon, também filho de Fingolfin, e Galadriel, filha de Finarfin, apesar de não gostarem particularmente de Fëanor, sentiram crescer em si uma sede do poder que viriam a ter na Terra-Média onde tudo era selvagem e indomado.
E foi assim, convencendo uma parte e obrigando os outros por dever e preocupação a acompanhar os seus entes queridos, que Fëanor persuadiu os Noldor a abandonar Valinor.

Os Valar tinham assistido em silêncio enquanto eram acusados das mais pérfidas intenções de que eram completamente inocentes. Magoados com a ingratidão dos Noldor, compreendiam também que tinha sido tudo obra de Melkor, que de facto era um deles, e lamentavam as perdas dos Elfos. Mas não podiam perdoar tamanha injustiça. Por isso Manwë enviou um mensageiro a avisar os Noldor de que, se saíssem, Valinor lhes seria negado para sempre e nunca mais encontrariam o caminho de volta, mas os elfos, incitados por Fëanor, continuaram a marcha.
E então Fëanor lembrou-se dos Teleri, porque precisava dos seus barcos para atravessar o mar, mas os Teleri não lhos cederam porque não tinham dado ouvidos às mentiras de Morgoth e amavam os Valar, e tinham pelos barcos uma afeição semelhante à dos Noldor pelas silmarils, e porque se apercebiam da loucura que guiava Fëanor.
Foi então que os Noldor puxaram das espadas e deu-se o primeiro fratrícidio de Elfo por Elfo. E Fëanor roubou os barcos aos Teleri.
Nesse momento da jornada, uma figura surgiu no caminho dos elfos, talvez, diz-se, o próprio Mandos, e pronunciou a maldição dos Noldor: que a casa de Fëanor e de todos os que o seguissem seria completamente destruída, que sofreriam e morreriam pela espada na Terra-Média, e que seria a traição a sua ruína.
Nessa altura, Finarfin arrependeu-se e voltou para trás, abandonando os filhos e levando alguma da sua gente com ele.
Mas de todos os que continuaram, nenhum Noldor voltou. Excepto um. Galadriel.*

[*A mesma Galadriel d’”O Senhor dos Anéis”. Em escritos posteriores, como nos “Contos Inacabados”, Tolkien deixa antever que o destino de Galadriel é mais importante do que é descrito na história de Frodo e do Anel e no “Silmarillion”.
Não foi por não ter ido à guerra que Galadriel escapou à maldição dos Noldor. Aredhel, filha de Filgolfin, que também deixou Valinor com Fëanor, tem um fim bastante inglório e trágico apesar de nunca ter pegado em armas.

E o que dizer de Fëanor? Apesar de orgulhoso, às vezes arrogante, mesmo insolente, Fëanor não é tão cego como parece. Talvez não se tenha dado o caso de não se ter apercebido de que Melkor jamais seria derrotado pela força; talvez tenha deixado de se importar desde que morresse a lutar pelo fruto do seu trabalho. A obsessão de Fëanor pelas silmarils não é semelhante à dos portadores do anel do poder. As silmarils eram de facto a sua obra prima. Quando Melkor o visita no exílio, a princípio para mostrar simpatia, dizendo que os Valar não tinham agido bem, e que se calhar até queriam roubar-lhe as silmarils, Fëanor apercebe-se muito bem de que era o próprio Melkor que se traía a si próprio. Diz Tolkien que Fëanor “fechou a porta na cara do ser mais poderoso da terra”. Fëanor talvez tenha sido possuído por uma loucura maior do que a razão que lhe era ditada pelo seu próprio intelecto.
Seja como for, Fëanor foi apenas o primeiro a cair. Outros se lhe seguiram.]

Fëanor faz ainda mais. Como os navios dos Teleri não chegavam para toda a comitiva, embarca consigo os da sua casa e abandona o resto dos Noldor ao frio do gelado Helcaraxé, onde muitos morreram. Mas nem isso deteve os restantes Noldor, exactamente porque lhes tinha sido somada mais uma traição fratricida, e os abandonados clamavam por vingança.
De modo que a maldição de Mandos não era tanto uma maldição como um aviso do que estava para acontecer se o curso dos eventos não se alterasse. Tudo o resto era inevitável.

Ora, na Terra-Média, Morgoth já tinha começado a atacar o reino de Doriath, mesmo antes da chegada dos Noldor. E grandes batalhas foram travadas entre os Noldor e o poder de Angband. Mas só depois da morte de Fëanor (que não demorou muito) é que os Elfos da Terra-Média acabaram por se unir contra o inimigo comum e conseguiram impor um cerco a Morgoth que durou séculos.
Durante todo esse tempo, Valinor esteve escondida e nenhum Elfo conseguiu regressar, embora tal tivesse sido tentado. E foi durante esse longo cerco e tempo de relativa paz que vieram ao mundo os Homens.

Os Homens eram seres semelhantes aos Elfos mas tão estranhos que um dos nomes que lhes foi dado terá sido Os Inescrutáveis.
Mas como o inimigo era comum e a lógica era militar, Homens e Elfos passavam o tempo a combater, não a tecer conjecturas existenciais.
E foi assim até à grande batalha que marcou o início do fim do reino dos Elfos na Terra-Média. Durante o cerco, novos reinados tinham aparecido. Fingolfin, irmão de Fëanor, foi o primeiro dos grandes príncipes a morrer em combate, e chegou mesmo a lutar em duelo com Morgoth, com a mesma espécie de loucura e desespero que tinha acometido o irmão séculos atrás. Claro que Morgoth o despedaçou.
A seguir foi Fingon. E de todos os nobres que ainda restavam, apenas Turgon escapou porque era senhor do reino secreto de Gondolin, cuja localização nem o próprio Morgoth sabia, e foi por isso poupado na grande batalha graças ao sacrifício de dois Homens, Huor e Húrin, que o deixaram viver para guardar o segredo durante mais algum tempo e assim garantir alguma esperança para os Elfos e Homens da Terra-Média.

Aqui dá-se um ponto de viragem. O tempo dos Elfos passava. Por fim, depois de muitas lutas pelas silmarils em que os filhos de Fëanor, obedientes ao juramento, defrontaram os próprios familiares pela posse das jóias, os Elfos acabaram por se aniquilar uns aos outros mesmo sem a ajuda de Morgoth. Mas Morgoth não perdia tempo em “ajudar” sempre que isso lhe era possível, e julgava no seu trono em Angband que era uma questão de tempo até ser senhor da Terra-Média agora que os Valar tinham abandonado os Elfos. Mas Morgoth não tinha contado com os Homens, que morriam depressa e lhe pareciam desprezíveis.
Contudo, nem todos os Valar tinham abandonado o destino dos Elfos e dos Homens na Terra-Média. Ulmo, senhor dos mares e das águas, continuava a velar pelos filhos de Ilúvatar. E escolheu um homem, Tuor, filho de Huor

[e primo de Túrin, aquele cuja história eu gosto muito]

para levar uma mensagem a Turgon em Gondolin: que Turgon não se apegasse às obras do seu trabalho e abandonasse a cidade secreta. Mas Turgon não quis. Talvez pelo mesmo amor à sua obra prima de que fora culpado o seu tio Fëanor, Turgon lembrou-se da maldição e voltou a temer a traição. Durante séculos, ninguém entrava nem saía de Gondolin sem autorização, se de todo, mas agora Turgon endureceu ainda mais a sua guarda e mandou selar a porta para que ninguém entrasse nem saísse mais. E pensou que enquanto conseguisse manter a fortaleza secreta e inacessível todos os sofrimentos do mundo lá fora não o atingiriam e à sua gente. Foi esse o erro mais grave.
Porque a traição acabou por vir de dentro, como tinha sido predito, e Gondolin foi denunciada e devastada num ataque sem precedentes. Diz Tolkien que Turgon pereceu na queda da sua própria torre, que nunca abandonou.

[O que nos lembra o episódio da Torre de Babel.]

Mas a filha de Turgon tinha casado com Tuor, uma união entre Elfos e Homens como não era costume, e ambos conseguiram salvar alguns dos habitantes de Gondolin através de uma passagem secreta.

[Curiosamente, dizem os “Contos Inacabados”, o elfo Glorfindel que luta contra um balrog (e morre no duelo) nessa passagem secreta é precisamente o mesmo Glorfindel que ajuda Frodo a chegar a Rivendell quando este é perseguido pelos Ringswraiths. Como? Muito simplesmente... os elfos reincarnam. Os homens não, porque não é esse o seu destino após a morte. Esse destino é, com já se disse, apenas conhecido a Ilúvatar.]

Dessa união nasceu Eärendil, o marinheiro, que conseguiu finalmente regressar a Valinor e pedir misericórdia e ajuda para os Elfos e Homens da Terra-Média.
E se o conseguiu foi com a ajuda de uma silmaril que o guiou no caminho. Essa silmaril foi resgatada da coroa de Morgoth por mais um casal das duas raças, Beren dos Homens e Lúthien (filha de Melian e do rei Thingol) dos Elfos. Estes deram à luz Elwing, que por sua vez casou com Eärendil, e dessa união nasceram Elros e Elrond.
Mas Eärendil e Elwing, que chegaram juntos a Valinor, nunca mais regressaram. O seu destino foi o de acender uma estrela no céu, Eärendil, a estrela mais brilhante de todas, porque era uma das silamrils de Fëanor.

[A história de Eärendil e Elwing é surrealista que baste, mas nada que equivalha à história de Beren e Lúthien (conhecida até por Sam Gamgee), que se dão ao luxo de morrer e voltar à vida física, já para não falar na parte em que assumem a forma de lobos... De lobos?... E do cão que fala. E como não gosto especialmente da imaginação delirante de Tolkien nessa passagem em particular, fica assim aqui levemente mencionada.]

Foi então que os Valar decidiram intervir, quando Morgoth já se julgava dono do mundo. E foi tal a hoste que veio de Aman, e foi tal a violência do confronto, que toda a parte oeste da Terra-Média foi arrasada e inundada. O espaço onde se situava Angband, Doriath ou a cidade secreta de Gondolin deixou simplesmente de existir. Muito se desfez também na memória dos homens, recém chegados em comparação com os Elfos.
À retribuição dos Valar contra Morgoth chamou-se a Guerra da Ira (War of Wrath). Melkor foi finalmente capturado e ficará aprisionado, diz-se, até ao fim do mundo. Mas Sauron fingiu-se arrependido e ficou-se pela Terra-Média...
Quanto aos filhos de Fëanor, os dois que sobreviveram, mesmo depois da Guerra da Ira e da prisão de Melkor, continuavam eles próprios aprisionados ao juramento porque agora as silmarils, obra do seu pai, voltaram às mãos dos Valar, criadores das Árvores de onde Fëanor retirou a luz. E os Valar recusaram, depois de tudo o que os filhos de Fëanor tinham feito (e não foi pouco), devolver-lhes o que não consideravam deles.
Os dois irmãos discutiram em privado o que seria pior. Perecer a cumprir o juramento ou entregar-se à justiça dos Valar sem o cumprirem. Decidiram-se pela primeira opção. E atacaram o acampamento de Valinor e recuperaram as duas silmarils que restavam. Só que, depois de tudo o que tinham feito, as jóias os queimavam porque tinham sido abençoadas e não podiam ser tocadas por quem praticava o mal. Selaram eles próprios o seu destino. Sem conseguir suportar a queimadura das silmarils, um dos irmãos afogou-se no mar e o outro atirou-se do alto de uma montanha para as profundezas da terra. O juramento seguiu-os até à morte. E assim terminou a Guerra das Jóias.
Com a Guerra da Ira termina também a Primeira Era da Terra-Média e começa a Segunda, mas esta pertence a Numenór.



Esplendor e queda de Numenór

Com os Valar, contra Morgoth, lutaram Homens e Elfos. Aos Elfos foi concedido o perdão e foi-lhes permitido voltar para Valinor se o desejassem.
Aos homens nobres que tinham lutado pelos Elfos foi concedida uma ilha entre Aman e a Terra-Média. Um dos seus nomes era Numenór, outro Westernesse. Outro ainda, Atallantë...
No destino de Numenór e dos Homens, uma vez que o tempo dos Elfos tinha passado, entram os dois irmãos meio-elfos filhos de Eärendil e Elwing: Elros e Elrond. Visto que os irmãos pertenciam a duas raças, foi-lhes permitido pelos Poderes escolherem o seu destino. Elros escolheu o destino dos Homens mortais e tornou-se o primeiro rei de Numenór. Elrond [sim, esse Elrond] escolheu o destino dos Elfos e ficou por muito tempo na Terra-Média para contar a história quando já ninguém se lembrava dela. Com Elrond ficou também Círdan, de que a história não fala muito em parte alguma mas que era um elfo que nunca tinha deixado a Terra-Média desde o príncipio, e só o fez no último momento do tempo dos elfos, depois da Guerra do Anel.
Não há muito para dizer do esplendor de Numenór. A príncipio os homens viviam longos e longos anos e dedicavam-se a todos os ofícios e ciências, em especial à navegação. Uma só lei lhes estava imposta: não podiam viajar para oeste até ao ponto em que perdessem de vista a costa de Numenór. Para leste, na direcção da Terra-Média, podiam viajar, e de facto viajaram e trouxeram muitos conhecimentos e ajuda aos homens que ainda lá viviam nas trevas da ignorância.
Eram também amigos dos elfos de Valinor, que lhes ofereceram as sete palantires e um rebento da árvore que crescia em Tol Eressëa à imagem do perdido Telperion, a que chamaram Nimloth. [Mais uma vez, é a mesma árvore que é plantada em Gondor.]
A proibição imposta pelos Valar tinha por fim que os homens nunca vissem a terra de Valinor, onde nada morria, e não desejassem a imortalidade como a dos Elfos.
Tinham razão, porque foi esta a raiz de todo o mal que se seguiu.

[Até aqui, a história mais interessante de Numenór talvez seja a de Aldarion e de Erendis, relatada nos “Contos Inacabados”. Trata-se do romance do príncipe navegador Aldarion e da sua noiva prometida Erendis, e de como ele não tinha certeza se gostava mais dela ou do mar, e de como ela não tinha a certeza se o havia de aceitar assim dividido e partilhado com tamanho rival. É um romance triste e o casamento de ambos não dura, e enquanto dura não é feliz.]

Talvez porque na Terra-Média os homens estavam demasiado preocupados em sobreviver aos ataques de Morgoth, foi só em Numenór que se preocuparam com a sua mortalidade. E quanto mais se preocupavam com ela, ironicamente, menos duravam as suas vidas. Foi dito que em tempos os Elfos e os Homens escolhiam quando morrer, mas agora os Homens agarravam-se à vida e recusavam a morte, e viam-se reduzidos a uma velhice de debilidade e senilidade que não tinham experimentado antes.
A seguir ao esplendor de Numenór, vem a decadência. Reis cada vez mais tiranos, cada vez mais preocupados com a sua riqueza e a sua imagem, cada vez mais exploradores do que colonizadores da Terra-Média.

[A história é demasiado triste e lembra demais uma outra Terra ou uma Roma qualquer.]

Havia em Numenór uma grande colina chamada Meneltarma onde os habitantes da ilha tinham por costume entregar a Ilúvatar os primeiros frutos do ano, mas com o tempo até essa celebração fora abandonada.
Muitos reis anteriores estavam tão zangados com Valinor que pura e simplemente tinham proibido os súbditos de conviver com os Elfos, e por isso estes deixaram visitar a ilha. Mas havia ainda um pequeno grupo de amigos dos elfos, cada vez mais perseguidos, que se auto-denominavam os Fiéis. A mãe de Ar-Palantir, um dos últimos reis, pertencia aos fiéis e instruiu o filho na história de Valinor e de tudo o que se tinha passado. Mas já ninguém se lembrava. Todos se preocupavam apenas com a sua riqueza e poder.
Ar-Palantir ainda olhava para os mares na esperança de que os Elfos voltassem nos seus navios vindos de Tol Eressëa, mas eles não voltaram. Ar-Palantir (assim chamado porque tinha o dom da clarividência) profetizou então que a sobrevivência de Numenór estava ligada à da árvore dos reis: se a árvore mirrasse, definharia o reino de Numenór.
Depois de ar-Palantir veio o pior de todos os reis, ar-Pharazon, que retornou às antigas ideas e perseguiu cada vez mais os amigos dos Elfos.
A isto tudo não era estranho o que se passava na Terra-Média, onde Sauron crescia de dia para dia. E Sauron, seguindo o exemplo do seu mestre Morgoth, queria para si não só o domínio da Terra-Média como, se possível, a destruição de Numenór também.
Até que chegou aos ouvidos de ar-Pharazon que Sauron se tinha proclamado Senhor da Terra. Imediatamente ar-Pharazon partiu de Numenór com uma grandiosa armada, montou acampamento nas costas da Terra-Média e convocou Sauron a comparecer perante ele.
E Sauron veio. Nessa altura ainda não se julgava capaz de enfrentar a força de Numenór embora o número de orcs e criaturas vis não parasse de aumentar nas suas hostes.
Perante ar-Pharazon, Sauron fingiu-se conquistado e posto na ordem, mas isso não chegava para o soberbo rei. Achava que podia manter Sauron mais controlado se o levasse para Numenór.

[Já dizia Maquiavel, manter os amigos perto e os inimigos ainda mais perto mas, como se pode ver pelo exemplo seguinte, é um conselho que não se deve levar sempre à letra porque o feitiço vira-se contra o feiticeiro.]

Sauron regozijou-se e fingiu que ia contrariado. Porque naquela altura, como Melkor antes dele, Sauron ainda podia fazer para si próprio uma aparência agradável aos olhos humanos. E Sauron não era como Melkor. Em vez de arrogante, fazia-se servil. Em vez de exigir galanteios, cobria deles o rei. Em vez de se enaltecer, humilhava-se. Em vez de dar ordens, manipulava.
E assim que percebeu, já em terras de Numenór, que os Homens tinham um grave problema em aceitar a mortalidade, foi ele que começou a encher os ouvidos do rei com a injustiça que era a morte, e que a imortalidade não era para todos, e que homens nobres como o rei mereciam, não!, deviam exigir a imortalidade!, e foi por ali fora, até chegar ao ponto de dizer que Ilúvatar não existia, que Ilúvatar era uma invenção dos Valar, que o verdadeiro Criador era Melkor, Senhor da Liberdade, e envenenava o espírito do rei contra Valinor. A seguir ao espírito do rei, todos os espíritos do reino que, percebendo a preferência de ar-Pharazon pelos conselhos de Sauron, não se atreviam a contradizê-lo para não caírem em desgraça aos olhos do monarca.
E Sauron chegou ao ponto de mandar tanto em Numenór que fez erigir um templo, uma torre, semelhante ao posterior Barad-dur mas com uma cúpula em vez do olho, onde ardia um fogo noite e dia, e depressa a cúpula se tornou negra, e ali se faziam sacrifícios humanos a Melkor. E foi assim que Sauron pôs toda aquela boa gente a adorar o inimigo dos filhos de Ilúvatar.
Os escolhidos para esses sacrifícios eram escravos trazidos da Terra-Média, ou os Fiéis, amigos dos elfos, que não eram acusados por essa razão mas sim por alegadamente fomentarem a traição ao rei. Ar-Pharazon tinha-se tornado no tirano mais terrível e impiedoso de toda a história dos Homens e Elfos.
Ora, havia ainda um conselheiro do rei que pertencia aos Fiéis e que era também descendente de Elros, de nome Amandil, que tinha sobrevivido tanto tempo por ter mantido as suas ideias em profundo segredo. E Amandil percebeu que o tempo era negro e não havia esperança para os homens de bem. Chamou a si o seu filho Elendil [sim, esse mesmo Elendil] e informou-o de que tencionava partir no seu navio para oeste, quebrando a proibição dos Valar e tentando chegar a Valinor para implorar a intervenção dos Poderes antes do desastre final, porque o rei preparava-se para declarar guerra a Valinor e já tinha preparada a armada que não tardava em largar.
A Elendil, o pai ordenou que abastecesse navios e recolhesse neles todos os Fiéis que ainda existiam e que ficasse ao largo da ilha e esperasse um sinal. A bordo, Elendil levaria as palantires e um rebento da árvore dos Reis. O seu filho Isildur [sim, esse mesmo Isildur] tinha-lhe colhido o último fruto antes de Sauron queimar a própria árvore no altar do templo.
Da viagem de Amandil não se sabe nada. Apenas que uma segunda embaixada como a de Eärendil não funcionaria outra vez e que para a maldade dos homens de Numenór não havia misericórdia.

[Tudo indica, por exemplos anteriores, que Amandil não foi deixado perecer e que deve ter sido acolhido em Valinor, mas não se sabe ao certo. Nunca ninguém da raça dos Homens voltou de Valinor, embora alguns lá tivessem chegado, pois essa era a lei de que Valinor estava reservada apenas aos Elfos.]

E ar-Pharazon partiu em toda a pompa para Valinor, e quebrou a proibição e chegou mesmo a Valinor. Aí, desembarcando, encontrou a terra vazia, e os seus homens entraram em Tirion e encontrarama cidade deserta. E ar-Pharazon desafiou os Poderes a virem lutar pela terra se a queriam manter.
Diz Tolkien que pela primeira vez os Valar abandonaram o domínio de Arda e entregaram a Justiça ao próprio Ilúvatar. E o que aconteceu de seguida foi uma espécie de Apocalipse e Dilúvio.
Ilúvatar fendeu um grande abismo no meio do mar, entre Aman e Numenór, e todas as águas e navios foram sugados para dentro dele.

[O que lembra o destino do exército do Faraó no Mar Vermelho.]

Ar-Pharazon e os seus homens ficaram sepultados debaixo das pedras da colina de Tirion que lhes desabou em cima.
As fundações de Numenór quebraram-se e a ilha afundou. Depois veio uma onda gigante que varreu a ilha para o fundo do mar. Os barcos de Elendil e Isildur e Anárion, seus filhos, que estavam do lado leste de Numenór, escaparam ao abismo do mar, mas foram levados em ondas do tamanho de montanhas até às costas da Terra-Média, onde chegaram como náufragos.
Aí foram acolhidos por Gil-Galad, filho de Fingon, que vivia na companhia de Círdan e de Elrond e era agora o último rei Elfo da Terra-Média.

Mas Sauron teve mais do que esperava. Quando as fundações da ilha se partiram ele estava dentro do templo, a rir-se de ar-Pharazon. Sauron apenas queria que o rei levasse a guerra a Valinor e encontrasse a morte. Nunca esperou que a própria Numenór fosse destruída. Mas Sauron era um espírito. Perdeu, nessa grande derrota, a possibilidade de se apresentar com uma forma agradável aos olhos dos homens e quando voltou à Terra-Média era uma figura temível de se ver, mas sobreviveu a tudo.
Não se sabe, porque Tolkien não diz no “Silmarillion”, se Sauron levou o Anel do Poder com ele para Numenór. Porque o Anel do Poder, o Um, tinha sido forjado na Terra-Média pelo próprio Sauron antes da chegada de ar-Pharazon. Seria muito estranho que o tivesse deixado ficar para trás porque quando partiu a guerra pela posse dos anéis já tinha começado. Os Elfos que restavam na Terra-Média tinham sido enganados pelas aparentes boas intenções de Sauron logo após a Guerra da Ira e tinham sido levados a forjar os três anéis de que muito se fala depois, mas depressa descobriram que em segredo Sauron tinha também fabricado um anel a que os outros obedeciam.

[Nos “Contos Inacabados” é dito que Gil-Galad chega a pedir ajuda a Aldarion, o tal que teve um casamento infeliz, no tempo em que os reis de Numenór ainda mantinham a sua nobreza de carácter.]

E Sauron também já tinha corrompido os Ringwraiths, que eram nada mais nada menos do que homens de Numenór do época em que a ilha perdida estava à beira do declínio.

Como é mais ou menos do conhecimento geral, por essa altura do regresso de Sauron e de Elendil à Terra-Média, formou-se a Última Aliança entre Elfos e Homens e Sauron foi derrotado. Mas Elendil e Gil-Galad pereceram. E também o Irmão de Isildur, Anárion, que durante um tempo teve a missão de proteger Gondor da ameaça antes da Aliança ser formada, como mais tarde fez Faramir enquanto a Companhia do Anel cumpria a sua missão.

[Injustamente, não se fala de Anárion o suficiente, apenas porque foi Isildur a plantar a famosa White Tree em Gondor. Mas fê-lo, antes de partir para aquela que seria a sua emboscada mortal, em memória do irmão.]

Do sucedido a partir daqui pouco há a dizer. Sauron foi afastado por mais algum tempo mas não completamente porque Isildur adquiriu o Anel do Poder e não teve força de vontade para o destruir. Ao contrário do que é sugerido por um certo filme, não é apenas Elrond que o aconselha a atirar o Anel ao fogo de Mount Doom, mas também Círdan, e sempre Círdan, que está presente desde o princípio das coisas desde que os Elfos as recordam.

E como se sabe tudo foi esquecido. Como é que todo este passado foi varrido da memória dos homens da Terra-Média, como é que o reino de Gondor foi apenas um fogo-fátuo do esplendor que tinha sido Numenór, como é que no Shire se chama por Elbereth mas não se sabe quem ela é... ao contrário do que parece, é muito fácil de compreender. Os homens esquecem. Ponto final. E esquecem ainda mais depressa o que não querem lembrar porque traz más memórias. Ao contrário dos Elfos, os Homens são vítimas dos contínuos erros do passado.

Os últimos parágrafos do “Silmarillion” são dedicados àqueles que, no príncipio da Quarta Era, já depois de Aragorn, o rei Elessar, restituir o poder de Gondor, regressam a Valinor. Acaba em Valinor como começa em Valinor.
Frodo e Bilbo são hobbits, e os hobbits são da raça dos Homens dos filhos de Ilúvatar, e como foi dito todos os Homens que chegam a Valinor já não regressam porque é essa a lei. E acompanhou-os Galadriel, que já tinha visto Valinor no tempo das Árvores e no tempo das Trevas e na Guerra das Jóias. (Mas não Celeborn, o seu marido, nem Legolas o elfo. Esses ficam durante mais algum tempo.) E com eles vai também Círdan, que nunca tinha visto Valinor, mas cuja missão na Terra-Média chega ao fim, e Elrond, praticamente uma criança nascida há poucos anos. Mas com eles regressa também Gandalf.

Gandalf... Estive aqui a pensar se havia de o dizer ou não. Advirto que para mim conhecer a verdadeira natureza de Gandalf retirou um pouco da magia do mistério que a personagem inspira.
Gandalf é um Maiar. Como Melian, como Sauron. O que lhe torna a vida muito mais fácil. E que explica que tenha “morrido” em Moria para reaparecer em Fangorn. É difícil respeitar um Maiar, um espírito incorpóreo que desconhece a verdadeira morte, como se respeita um venerável velho sábio. Gandalf é Olórin, e já passeava nos jardins de Lórien, em Valinor, muito antes de o primeiro Elfo acordar e ver as estrelas na penumbra dos céus de Arda.
Talvez Ilúvatar tenha razão e a mortalidade dos homens seja uma dádiva difícil de compreender. E ao mesmo tempo um dom, mas só invejado por aqueles que o não experimentam. Como, aliás, é da natureza de todos os dons.

Etiquetas: ,

2 Comentários:

Blogger LagriSangMort disse...

Sillmarillion...grande livro de um grande senhor J.R.TOLKIEN
see you in the other side________Vamp Kisses***+++

4/3/06 00:38  
Blogger Luthien disse...

Muito bom!
Parabéns pelos "serviços prestados" aos fãs da grande e maravilhosa obra de Tolkien!

8/9/06 19:32  

Enviar um comentário

Links to this post...

Criar uma hiperligação

<< Home



Animais de Rua - Projecto de Esterilização e Protecção de Animais Sem Lar

União Zoófila

Powered by Blogger




site search by freefind advanced




My blog is worth $22,017.06.
How much is your blog worth?