domingo, maio 27, 2007

Dá que pensar

Em seguida transcrevo um excerto de um diálogo do filme The Crooked E: The Unshredded Truth About Enron que passou recentemente na televisão, e que achei tão interessante que me dei ao trabalho de reproduzir. Trata-se de um diálogo em que um administrador da Enron explica a um jovem recentemente contratado como se processava o esquema Enron. Quem quiser ver alguns paralelos com outras situações dentro de casa, esteja à vontade.

"- A Enron tem muitos vermos, Cruver. A Enron tem milhões e milhões de vermes.

- Mas ainda há três semanas a Enron era invencível, e agora enfrenta falência, como é que isso aconteceu?

- É a pergunta dos 25 milhões, não é? De quem é a culpa? Obviamente da gestão da Enron, uns sacanas gananciosos. Cobrávamos belos bónus baseados em lucros falsos. Vendíamos as nossas acções quando dizíamos a todos para comprar. Por uns míseros 52 milhões de dólares por ano a Enron comprou a Arthur Anderson e tudo o mais que fosse preciso. A Direcção? Não queria saber o que faziam as chefias desde que o preço das acções continuasse a subir. E todos tinham parte naquilo: os bancos, as seguradoras, as corretoras, os analistas, os media, os políticos, todos nos apoiavam das barreiras. 'Vai, Enron, vai! Sobe o preço das acções!' Alan Greenspan chamava-lhe a 'exuberância irracional'. Eu chamo-lhe a boa da ganância. Certo, vamos para o estrangeiro construir centrais eléctricas. Índia, Guatemala, Brasil, República do sei lá de quê... Nós íamos, negociávamos as ofertas, fazíamos acordos, embolsávamos os nossos lucros e recebíamos os nossos bónus. Só existia um problema. Na Enron ninguém sabia o que estava a fazer. Foi a globalização da estupidez. Foi esse o verdadeiro método da Enron.

- Mas eu não compreendo. A Enron reinou em Harvard, Goldman Sachs, no New York Times, no Wall Street Journal...

- Vou contar-te uma história, Cruver. San Juan, Porto Rico. Instalámos quilómetros de oleodutos através de uma subsidiária. Fizemos um trabalho miserável, claro. Os canos têm fugas. Apresento o problema à gestão...

- O que aconteceu?

- Quebrei a regra da Enron. Nada de más notícias. Nada de más notícias, nunca. Transferiram o meu coiro para o outro lado do mundo. Um ano depois do meu relatório, um oleoduto rachado provoca uma explosão de gás. 80 pessoas feridas, 33 mortos. Os bónus foram pagos a tempo. Eu descontei o meu cheque. O sistema era corrupto, quase desde o início. Foi criado para enriquecer pessoas, as pessoas certas, com base no preço das acções. Ganhos reais e lucros reais para a empresa era uma consideração secundária. Bastava manter o preço das acções bem alto, pagar aos auditores, subornar os políticos, e encantar os media e Wall Street. Manter a mentira, bastava manter a mentira. Os bónus e as opções de compra não deixariam de chegar. De quem é a culpa? Minha. A culpa foi minha e de outros como eu. Vigaristas reles e imorais que o Lay e o Skilling não tinham problemas em recrutar das altas patentes militares, da escola de Gestão de Harvard, da escola de Economia de Londres, ou da Arthur Anderson. Os melhores dos melhores, Cruver. Somos os melhores e os mais espertos. Somos os maus, os criminosos. E não penses que é só esta empresa. Há centenas, milhares de Enrons por aí, a falsear a contabilidade, a inflaccionar os lucros, a esconder a dívida, a comprar a fiscalização."


Diria mesmo mais: até há por aí países assim.

Etiquetas: , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Links to this post...

Criar uma hiperligação

<< Home



Animais de Rua - Projecto de Esterilização e Protecção de Animais Sem Lar

União Zoófila

Powered by Blogger




site search by freefind advanced




My blog is worth $22,017.06.
How much is your blog worth?