sábado, outubro 12, 2013

“O Livro dos Espíritos” – Do corpo e do mundo material

Capítulo “Encarnação nos diferentes mundos”


As nossas diferentes existências corporais passam-se todas na Terra? [pergunta]
– Não. Nem todas, mas em diferentes mundos. As que passamos na Terra não são nem as primeiras nem as últimas, embora sejam das mais materiais e mais distantes da perfeição.

Podemos voltar à Terra após ter vivido em outros mundos? [pergunta]
– Seguramente. Já vivestes em outros mundos além da Terra.

Existe alguma vantagem em voltar a habitar a Terra? [pergunta]
– Nenhuma vantagem em particular, a menos que se esteja em missão. Nesse caso se progride aí como em qualquer outro mundo.

Não seria melhor permanecer como Espírito? [pergunta]
– Não, não. Seria permanecer estacionário, e o que se quer é avançar para Deus.

Os Espíritos, após terem encarnado em outros mundos, podem encarnar neste, sem nunca terem passado por aqui? [pergunta]
– Sim, como vós em outros mundos. Todos os mundos são solidários: o que não se cumpre em um se cumpre em outro.

Desse modo, há homens que estão na Terra pela primeira vez? [pergunta]
 – Há muitos e em diversos graus.

Os espíritos podem encarnar corporalmente num mundo relativamente inferior àquele em que já viveram? [pergunta]
– Sim, se for para cumprir uma missão e ajudar ao progresso. Aceitam com alegria as dificuldades dessa existência, porque lhes oferecem um meio de avançar.

Isso não pode ocorrer por expiação? Deus não pode enviar Espíritos rebeldes para mundos inferiores? [pergunta]
– Os Espíritos podem permanecer estacionários, mas não regridem. Quando estacionam, a sua punição é não avançar e ter de recompor as existências mal empregadas num meio conveniente à sua natureza.

Os seres que habitam cada mundo atingiram um mesmo grau de perfeição? [pergunta]
– Não, é como na Terra: há seres mais avançados e menos avançados.

Sempre disse a muita gente que o inferno é aqui. Não acreditaram em mim, se calhar porque a existência das pessoas a quem o disse não seja um inferno. Lá está, há vidas de prova e vidas de expiação. A minha vida, aqui, é uma de expiação, e como tal, infernal. Nada do que leram até aqui constituiu uma surpresa para mim. Foi mais como uma clarificação do que eu já suspeitava.


Capítulo “Sexo nos Espíritos”

O Espírito que animou o corpo de um homem pode, em uma nova existência, animar o de mulher e vice-versa? [pergunta]
– Sim, são os mesmos Espíritos que animam os homens e as mulheres.

Quando está na erraticidade, o Espírito prefere encarnar no corpo de um homem ou de uma mulher? [pergunta]
– Isso pouco importa ao Espírito. Depende das provas de que deve suportar.

Os Espíritos encarnam como homens ou mulheres, porque não têm sexo. Como devem progredir em tudo, cada sexo, assim como cada posição social, lhes oferece provas, deveres especiais e a ocasião de adquirir experiência. Aquele que encarnasse sempre como homem apenas saberia o que sabem os homens. [Allan Kardec]

Também nada disto constituiu nenhuma surpresa para mim. A surpresa seria que não fosse assim.
E novamente tenho de salientar a modernidade do livro. Publicar coisas destas, em 1857, se não considerado blasfémia seria no mínimo um atentado à moral e aos bons costumes. Um homem, encarnar num corpo de mulher, e vice versa? O escândalo! A falta de pudor! Um homem conhecer em si os recantos privados da mulher e a mulher tocar em si a virilidade masculina! E trocar, com quem troca de corpo, de facto, trocando de corpo! A simples ideia de que todos nós já fomos homens e mulheres, ambos!
Acredito que só por causa disto muitos exemplares de “O Livro dos Espíritos” possam ter sido queimados, ou proibidos, ou vilipendiados. Muitos espíritos (vivos, não mortos) ainda não estão ao nível de aceitar sexo entre pessoas do mesmo sexo, quanto mais sexos diferentes na sua própria pessoa! Sinceramente, até me faz rir. Só por isto já vale a pena ansiar pelo Além, só para assistir à cara de algumas pessoas quando confrontadas com a revelação que em algumas reencarnações não foram um José mas uma Josefina, e vice versa! Mandem-me outra vez para o Inferno logo a seguir, mas deixem-me ver isso!

E falando de físicos e de aparências, e de quem vê caras não vê corações:


O homem, pelo Espírito, conserva traços físicos das existências anteriores nas suas diferentes encarnações? [pergunta]
– O corpo que foi anteriormente destruído não tem nenhuma relação com o novo. Entretanto, o Espírito se reflecte no corpo. Certamente, o corpo é apenas matéria, mas apesar disso é modelado de acordo com a capacidade do Espírito que lhe imprime um certo carácter, principalmente ao rosto, e é verdade quando se diz que os olhos são o espelho da alma, ou seja, é o rosto que mais particularmente reflecte a alma. É assim que uma pessoa sem grande beleza tem, entretanto, algo que agrada quando é animada por um Espírito bom, sábio, humanitário, enquanto existem rostos muito belos que nada fazem sentir, podendo até inspirar repulsa. Poderíeis pensar que apenas os corpos muito belos servem de envoltório aos Espíritos mais perfeitos; entretanto encontrais, todos os dias, homens de bem sem nenhuma beleza exterior. (…)

Tendo em vista que o corpo que reveste a alma na nova encarnação não tem necessariamente nenhuma relação com o da encarnação anterior, uma vez que em relação a ele pode ter uma procedência completamente diferente, seria absurdo admitir que numa sucessão de existências ocorressem semelhanças que não passam de casuais. Entretanto, as qualidades do Espírito modificam frequentemente os órgãos que servem às suas manifestações e imprimem ao semblante, e até mesmo ao conjunto das maneiras, um cunho especial. É assim que, sob o envoltório mais humilde, pode-se encontrar a expressão de grandeza e da dignidade, enquanto sob a figura do grande senhor pode-se ver algumas vezes a expressão da baixeza e da desonra. Algumas pessoas, saídas da mais ínfima posição, adquirem, sem esforços, os hábitos e as maneiras da alta sociedade. Parece que elas reencontram o seu ambiente, enquanto outras, apesar do seu nascimento e educação, estão nesse mesmo ambiente sempre deslocadas. Como explicar esse facto senão como um reflexo do que o Espírito foi antes? [Allan Kardec]

Ó Kardec, tu fazes ideia da snobeira que acabaste de pronunciar aqui? Só por causa disso já não te livras de mais duas ou três encarnações, aposto que como sem-abrigo, para que quando te vires roto e descalço percebas o que a “alta sociedade” pensa de ti e das tuas maneiras, e como estarão dispostos a aceitar-te de braços abertos para o chá das cinco devido ao teu “digno semblante” de Espírito avançado. Tu achas mesmo que alguém desses estupores dessa gente reconhece a majestade no semblante de um pobre?!
Desculpa lá, que conversa de rico!
Agora é assim: não me venhas responder esta noite, tocando-me com o dedo nas costas, porque me pregas um grande susto que não me apetece nada apanhar. Se quiseres, falaremos disto noutra altura, cara a cara, ou perispírito a perispírito, olha, no mundo dos Espíritos, tá?
(Estou a brincar, senhor Kardec. Não tenho a mínima apetência para discutir, com mortos ou vivos, os preconceitos das classes "finas", a que não pertenço e a que não tenho qualquer vontade de me associar por já lhes ter visto demais do que a minha conta. Mas lá está, é a expiação.)

Existem muitas passagens d'"O Livro dos Espíritos" que demonstram bem como esta era uma doutrina para as classes "superiores". Desde a linguagem à natureza dos temas abordados e às preocupações colocadas à apreciação dos Espíritos. Nota-se melhor do que qualquer mencionado vestígio de vidas anteriores podia deixar em qualquer rosto.
Desconheço a classe social preponderante dos espíritas actuais.



Etiquetas: , , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Links to this post...

Criar uma hiperligação

<< Home



Animais de Rua - Projecto de Esterilização e Protecção de Animais Sem Lar

União Zoófila

Powered by Blogger




site search by freefind advanced




My blog is worth $22,017.06.
How much is your blog worth?