quinta-feira, setembro 05, 2013

sem título

Sinto-me como bocados de neve
caindo aos poucos, lentamente,
e derretendo delicadamente
debaixo do meu sangue que ferve.

Sinto-me uma asa leve
que voa em círculos fechados
os olhos doloridos, pesados
fecham-se sobre a neve.

Sinto um pulsar aflito
tremendo as luzes das velas
que se apagam no escuro lá fora.

Estou algures no infinito
sem morada debaixo das estrelas
e sem rumo a seguir agora.



26-5-89



Comentário: A última estrofe, aquela que realmente conta, continua a fazer todo o sentido. É curioso, porque tinha 17 anos quando a escrevi.


Etiquetas: ,

3 Comentários:

Blogger MintJulep disse...

Pá, sem palavras. É raro eu ficar assim.

5/9/13 12:33  
Blogger katrina a gotika disse...

Sem palavras de tão parvo que é o poema, tirando a última estrofe, a única que faz sentido? ;)

6/9/13 03:09  
Blogger Mint Julep disse...

Ahahahaahhah. Faz de conta que dei um bofetão, agora. Não, tudo o que vem antes dessa última estrofe - que poderia ser um espelho meu, aha! - vem num crescendo para se chegar ali, aquele ponto, aquele instante em que se constata o quão perdido se anda na vida, o quão sem rumo, e o quanto nos exigem que tenhamos um; e quando não o temos, ainda mais perdidos nos sentimos. Enfim, isto sou eu a torcer os escritos alheios á vontade da minha pessoa. Ainda não li aquilo, mas até 2º feira leio.

6/9/13 09:51  

Enviar um comentário

Links to this post...

Criar uma hiperligação

<< Home



Animais de Rua - Projecto de Esterilização e Protecção de Animais Sem Lar

União Zoófila

Powered by Blogger




site search by freefind advanced




My blog is worth $22,017.06.
How much is your blog worth?