domingo, junho 30, 2013

Máquina Herética: poesia e prosa poética, 6


A QUEDA

Quando eu sinto que as asas se partem
e aterramos em queda livre, risco de vida,
pergunto-me a razão da existência,
porque voamos tão alto e depois caímos,
e ainda que a culpa não seja nossa
e nos culpem pela culpa que não temos,
de que modo podemos fugir?
Como voltar ao voo visando as nuvens
diz-me, meu amor, as alvas asas,
como levantá-las levemente
sem medo de voltar a cair?
Desta vez nada existe lá em baixo
que amortize a nossa queda tenebrosa
a não ser o manto materno da morte.
O amor, para nós, só o amor
ampara a amargura de existir.


3-10-1988

Etiquetas: , ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Links to this post...

Criar uma hiperligação

<< Home



Animais de Rua - Projecto de Esterilização e Protecção de Animais Sem Lar

União Zoófila

Powered by Blogger




site search by freefind advanced




My blog is worth $22,017.06.
How much is your blog worth?