sexta-feira, setembro 23, 2005

O fosso e o pêndulo

Silêncio na noite tépida. Abro uma lata de Diabräu e percebo que tenho as unhas demasiado compridas para teclar depressa. Vai ser longo e demorado.
Então, a situação. Tinha uns planos mais ou menos organizados quando fui acometida por 39,4º de febre. Não tenho gripe com frequência. Desprezo a doença. Sou a última a reconhecer que estou doente ou que alguém está doente. Há quem faça o mesmo com a morte, há quem finja que não há morte, eu finjo que não há doença. Neste caso, fui mesmo obrigada a parar. Não que estivesse a dormir porque não conseguia dormir. E de repente vejo-me de novo a ir para a cama às 9, 10 da manhã, e a levantar-me às 9, 10 da noite.
Assim se passou uma semana. No nevoeiro da febre e da gripe, o cérebro continuou a trabalhar a um nível intelectual que a maioria das pessoas não atinge nos seus melhores dias. Mas a nível muito prático, passei-me para o outro lado. Não saí de casa durante mais de uma semana e se não tivesse de ir comprar tabaco não teria saído tão cedo. Não senti falta de nada nem de ninguém.
Entretanto, dei comigo a ter um estranho ataque de caspa. Como não mudei de champô nem pus nada esquisito no cabelo, concluo que é dos nervos.
Agora, poder-se-ia dizer que o meu caso é patológico, mas será mesmo? Duvido. Duvido mesmo muito.
Finalmente, fiquei saudável outra vez. Voltei a procurar emprego. Telefonaram-me mas ainda não me dei ao trabalho de responder. Também não é fácil responder quando se está a dormir. E também não é fácil sair da cama quando não há razão para o fazer.
Todos os santos dias me tenho perguntado o que quero ser e o que quero fazer. Não encontro dentro de mim a resposta. E a resposta tem de vir de dentro de mim e de mais lado nenhum.
E a resposta é sempre esta: não quero ser nada nem quero fazer nada.
Levar esta questão a um psiquiatra, ou, cruzes credo!, a um psicólogo, é risível. Dir-me-iam que estou deprimida. Ora, depressão não é. A depressão pressupõe que se sinta alguma coisa. Eu não sinto grande coisa. Tenho pena dos meus gatos. Tirando isso, nada de nada.
A minha insatisfação não tem limites. A minha desmotivação não tem limites. A minha raiva poucos limites tem. A minha revolta é do tamanho da minha apatia.
Também me pergunto quanto disto é social e quanto disto é pessoal.
Da mesma forma que neste momento me pergunto se quero deixar aberta a caixa de comentários para uma meia dúzia de carolas dizerem de sua justiça o que acham do meu caso ou se estas palavras ficam simplesmente para o éter, para o universo, para Deus.
Depois chego à conclusão que não interessa a ponta de um corno.
Ando pelas páginas da internet a responder a anúncios para aquilo que me parece ser capaz de fazer sem me chatear muito e ganhando o mais possível (o que não é muito, diga-se de passagem).
Agora, falando de prazer, ou da falta dele, podia acrescentar que me falta prazer pela vida.

-Que eu vivo com o mesmo sem vontade
com que rasguei o ventre a minha mãe.


Não tenho, absolutamente, a mínima ambição. Coisas como comprar uma casa, ter uma relação, um bom emprego, dar uma queca, preocupações de gente normal, não me dizem rigorosamente nada.
Não é que não me passe pela cabeça ir para a cama com um gajo muito giro e nunca mais o ver na vida.
E no entanto, ironia das ironias, vivo para o prazer. O que mais há de interesse do que viver para o prazer? A vida é como uma festa. Cheguei à festa e percebi que era uma grande seca. As pessoas não têm conversa. Aborreço-me. Quero sair. Mas tenho de ficar. Pela porta de saída passa-se na horizontal. Num caixão, obviamente.
Meto-me nos copos. Arranjo uns headphones e ouço a música que gosto. Passa-se o tempo.
Quantos anos faltam até sair desta merda?



O poço e o pêndulo


Bem, há alguns anos, uma profecia levada a cabo com um pêndulo mágico ditou que eu ia morrer aos 39 anos com um ataque de coração. Nessa altura não acreditei no ataque de coração. Ninguém da minha família tem problemas de coração. Nós, é mais cancro.
Mas isso foi antes dos ataques de ansiedade. Às vezes sinto os pulmões a arder. E, às vezes, o coração pára mesmo.
Devo confessar que ficarei muito desapontada se não morrer quando o pêndulo parou. Era mesmo uma grande chatice.
"O poço e o pêndulo" é um conto de Edgar Allan Poe. E entre o poço e o pêndulo, venha o diabo e escolha. No poço já eu estou.
A questão é: sair do poço para onde?...
Não é que não tenha pensado em algumas coisas. Apetecia-me tirar um curso de Português-Inglês. Tenho duas maneiras de entrar na Faculdade de Letras. Uma, por ter um curso superior. Há concursos especiais para isso. Mas só abre uma vaga e pode aparecer alguém com uma média superior. Outra, é fazer o exame do 12º ano e entrar com passadeira vermelha. Oh, como é fácil a educação em Portugal! Até pensei em voltar ao meu liceu e pedir para assistir a umas aulas do 12º ano como preparação. Tenho a certeza que eles iam adorar ter-me lá. E eu sempre me distraía. Com o meu hobby, lá tirava o lugar a um jovenzinho candidato ao curso. Mas a vida é injusta e, como disse, eu vivo para o prazer. Aliás, viver para a justiça, neste país, é uma perda de tempo.
Tal como é uma perda de tempo ir tirar o curso. Para quê? Para encher o ego? Para gastar dinheiro em educação que não serve para nada?
Nah! Não sei, mas não me parece.

Também pensei em escrever uma história. Mas também não me parece.

E pronto, acabaram-se as ideias.


Nem sempre foi assim. Porque não começar pelo princípio? Isto de ser a melhor aluna da turma, e falo da escola primária, sempre teve muitas desvantagens. Mais desvantagens do que vantagens, diria mesmo. Não é fácil em tão tenra idade lidar com a inveja de 30 miúdos ranhosos e abaixo da média. (Ou na média. Eu é que estava acima da média e por vezes até me esqueço desse pormenor.) Tirando uma miúda que era muito boa a matemática e teve mais sorte na vida porque hoje é contabilista (ainda bem para ela, porque inveja é coisa que não sei o que seja).
Lembro-me da primeira frase em inglês que eu construí só de ver filmes. Era ela: "Look, boy, the car!". Tinha eu oito anos e estava na terceira classe. Fui mostrar a frase à minha professora, que me corrigiu imediatamente: "Bem, a frase não está completamente correcta. Em inglês diz-se: Look at the car." Nunca mais me esqueci do "at". Mas depois ela disse: "Mas não percas tempo com isso porque só vais aprender Inglês no ciclo".
Castração. Frustração imensa. Revolta. Raiva.
A melhor aluna da turma inventava todas as desculpas para não ir à escola.

Ah, agora me lembro do liceu! A melhor aluna da turma andava a fumar hax atrás do ginásio e a sair à noite (todas as noites) para o Bairro alto, isto já no 12º ano, e chegava às aulas de Filosofia de óculos escuros e uma ressaca das grandes. E tarde, obviamente. Muito tarde. A inveja daquela gente era de se lhe tirar o chapéu. Eu nem gostava de filosofia. Odiava Kant. Odiava Descartes. E anda odeio, diga-se de passagem. Seca do caraças. Toda a minha vida foi uma seca do caraças. A vida é uma festa que é uma seca do caraças.

A minha entrada na faculdade é outra anedota. No próprio dia da inscrição tive de ir comprar à pressa outros impressos porque nos meus impressos tinha posto como primeira opção Gestão de Empresas. Alguém me disse, na bicha de 5 horas para a inscrição, que eu não podia escolher Gestão de Empresas porque naquele tempo as opções faziam-se no 9º ano e eu tinha escolhido a área de Humanidades. Em meia hora, escolhi um curso e uma universidade. Foi assim, tipo totobola. Nunca tive de me preocupar com essas merdas. Tinha nota para entrar em tudo. Um do li tá, qualquer curso serve. Já naquela altura sabia que não havia porcaria de área que não estivesse superlotada.
Mas eu era muito nova e acreditava no mérito.
Quando eu disse que a minha vida desse tempo acabou, não brincava. E o que se poupa em reencarnações? Essa mulher morreu.
Sim, a rapariga cresceu, tornou-se mulher e morreu. Tudo em vinte e poucos anos.


Segundo nível

Estamos então no nível seguinte. O bonequinho do Tetris faz uma dança e ganho um bónus. Uma vida extra. Ta-tching.
E vejo-me de malas prontas para seguir viagem noutra dimensão.
Talvez o meu caso seja a prova provada que não se podem viver duas vidas numa só vida.
Tenho uma vida extra e não sei o que fazer com ela. A resposta é sempre a mesma: "Nevermore, nevermore". (Estamos muito Poeanos hoje.)
Então hoje dormi 14 horas. E sonhei com algumas coisas, não sei o quê.
A distância que me separa das outras pessoas é tão grande que não lhe chamaria poço mas sim fosso.
"E viviam, e casavam, e davam as suas filhas a casar", é qualquer coisa assim, e eu não tenho nada a ver com isso.
A única parte de mim que ainda funciona a nível normal é a parte intelectual. Às vezes escrevo coisas aqui e deixo comentários por aí. Entretenho-me com o filme. Porque, verdade se diga, a festa é uma seca. Há que arranjar distracções.
Podia escrever mais mas acho que vou ver o "Smallville".
É irrelevante. A sério, é irrelevante.
Ta-tching. Vida extra de bónus.

Etiquetas:

3 Comentários:

Blogger extremos disse...

manda me o teu email urgente


extremosporto@gmail.com

Abraço claudio

8/11/06 21:04  
Blogger extremos disse...

manda me o teu email urgente

Claudio

Abraço

8/11/06 21:05  
Blogger extremos disse...

há dois anos que espero por uma resposta sou mesmo paciente.
Encontrei te hoje outra vez na minha pilha de recordaçoes e papeis velhos. incrivel como o tempo passa.

16/10/08 19:02  

Enviar um comentário

Links to this post...

Criar uma hiperligação

<< Home



Animais de Rua - Projecto de Esterilização e Protecção de Animais Sem Lar

União Zoófila

Powered by Blogger




site search by freefind advanced




My blog is worth $22,017.06.
How much is your blog worth?