quinta-feira, março 04, 2010

Agarrei-me ao vampiro

Não é todos os dias que me apetece escrever mas hoje deu-me para isto.
Dantes, havia em Lisboa a Feira Popular. Podia ser muito bimbo mas eu gostava de ir beber sangria e ver as caras das pessoas quando andavam naquelas maluquices perigosas. Eu nunca andava. Só gostava de me sentar a beber sangria a observar as suas expressões de terror, a ouvir os seus gritos, a escutar os comentários. Digam o que disserem, era impagável. Gostava muito da Feira Popular e lamento que tenha desaparecido (em mais um negócio da China que ninguém percebe).
Mas avançando. Como disse, não gostava de andar em coisa nenhuma, nem sequer no Comboio Fantasma. Minto. Gostava de uma coisa em que se praticava a pontaria. Antes de beber sangria, claro, hahaha!
Tirando esse divertimento bélico (ah, que saudades de dar uns tirinhos!), só me atrevi a ir a outra coisa. Nos últimos anos da Feira montaram um espectáculo chamado A Casa do Terror, ou algo assim. Era de facto uma casa, com actores vestidos a preceito, cuja missão era meter medo aos visitantes. A ideia era espanhola. Desafiada por um amigo, lá me atrevi a experimentar, certa de que com a minha experiência em filmes de terror não me ia acagaçar. Afinal, tinha 26 anos, e já umas sangrias a acompanhar! Podia lá ter medo daquilo, certo?!... À porta estava um vampiro, vestido à conde Drácula, muito a rigor, que era o cicerone. Era quase tão sinistro como um gótico. Quase. O que estragava tudo era o colete vermelho e a camisa branca. (Vampiros amadores!)
Enfim, entrei, com um grupo de pagantes, e depois disseram-me que ao subir umas escadas não reparei na miúda do Exorcista que se retorcia algures a um canto sombrio. Estava a olhar para onde, pergunto-me eu? Possivelmente para o vampiro.
Em grande escuridão, penetrámos num cemitério. Do silêncio, começámos a ouvir sussurros, e depois algo nos tocou. Eram zombies. E bem caracterizados que eles estavam! Aquela gente era mesmo do teatro e fazia o seu papel! Sentíamo-nos no teledisco "Thriller" do Michael Jackson. Fiquei um bocado nervosa mas não tive medo. Faltava algo de essencial para me meter medo. Faltava o cheiro. Sem o cheiro da putrefacção e da morte, o meu cérebro distinguiu claramente que nada daquilo era real. Lá sorri e continuei.
Então o vampiro voltou a aparecer, naquele que devia ser o momento da metade da expedição, e avisou-nos: "A partir daqui ainda se pode voltar para trás! Quem não sair agora, já não sai!"
Isto também era para meter medo, mas quanto mais olhava para ele mais contente eu ficava. (Acho que o actor não estava a achar graça nenhuma ao meu carinho pela sua pessoa, mas lá deve ter percebido "esta é gótica, tou lixado, nem vale a pena insistir!")
Passámos a um corredor, e foi aí que se deu o mais estranho. Se os zombies não me convenceram, por falta do cheiro, algo mudou quando comecei a ouvir, nitidamente, um rosnar. Um rosnar ALTO e ameaçador, e percebi que do outro lado da porta estava um lobisomem. Reparem, eu não o vi sequer. Senti-me tomada de tal terror, só por ouvir o som, que me voltei para trás, e pedi desculpa ao meu amigo, e disse ao vampiro: "Eu quero sair! Eu quero sair! Por onde é, por onde é?!"
Acho que o vampiro se desiludiu comigo. Mas foi assim, agarrei-me ao vampiro, para longe do barulho, e ele guiou-me pela "passagem secreta" para a rua. "Cuidado com as aranhas!", dizia, sempre no seu papel, mas eu não largava era o vampiro.
Nunca me arrependi de voltar para trás. Queria ter medo, e tive medo. Missão cumprida.
O meu amigo ainda passou por alguns sustos, o último dos quais foi ser recebido pelo homem louco com a motoserra de "Texas Chainsaw Massacre", mas até a isso assisti em segunda mão. Quando a porta se abriu, ouvi a serra, e ouvi os gritos, e senti medo também. E nem sequer já lá estava.
Reparem como é curiosa esta coisa do medo, que vem dos sentidos todos, do cheiro, da audição, dos sentimentos, e principalmente da imaginação. Quanto menos se vê, mais se imagina. Quanto mais se imagina, mais assustador se torna. Eu não vi lobisomem nenhum. Eu imaginei-o. Naquele momento, "acreditei" tanto nele que tive medo e voltei para trás, com medo do que ia ver. Com medo de ver o meu pior pesadelo. Esse, o meu pior pesadelo, jamais o veria, porque apenas existia na minha cabeça. Mas naquele momento existiu, e dei por bem gasto o dinheiro do bilhete.
E depois, podia lá perder a oportunidade de ser guiada à "segurança" pelo braço de um "vampiro"?... Só se fosse muito louca!
Todos pagavam o mesmo, mas nem todos usufruíam os mesmos prazeres.

Etiquetas: , ,

7 Comentários:

Blogger Entropic Thing disse...

Agora fiquei nostálgica. Que saudades da feira popular, da sangria e dos gritos do pessoal que andava nos divertimentos perigosos...
Eu também fui à Casa do Terror, uma única vez. Mas, infelizmente, a minha experiência foi bem diferente da tua. Infelizmente, não tenho medo. Certo, admito, por vezes senti-me um pouco... nervosa e, tal como tu, mais com o que era sugerido do que com o que era vista. Mas medo, "aquele" medo, isso não senti.
Lembro-me muito bem do vampiro! Estava vestido (relativamente )a rigor. Eu também me pus a olhar para ele com muita atenção... deve ter sido por isso que ele me escolheu para ir à frente, a liderar a excursão.

Quando era criança passei por um período em que senti muito, muito medo. Quando essa fase terminou, o sentimento desapareceu e nunca mais voltou. Tenho pena...

5/3/10 10:32  
Blogger Morgana La Folle disse...

Acho que o vampiro ficou com a noite estragada. Primeiro pensou que eras "mais má" e assustadora do que ele. Talvez tenha acreditado que, dessa vez - e sem pagar bilhete, posto que era o cicerone -, ele próprio ia, finalmente, ter MEDO.
Depois, afinal, teve de te conduzir à saída. E tudo isto sem te morder (ele sabia lá fazer isso). Supremo vexame!!!! - pois era suposto que tivesses umas marcas de presas no pescoço... ou que fosses encontrada estendida, muito branca e sem forças, depois de terem estado os dois a sós.

Se eu o conhecesse, tinha-o gozado!

:|

*

6/3/10 03:41  
Blogger katrina a gotika disse...

Entropic:

Sim, saudades! Nas noites de verão era um divertimento diferente.
Eu não fui à frente. Tenho uma imaginação muito fértil. Comecei logo a pensar que se houvessem mesmo monstros era melhor ir atrás, ou no meio, para não ser comida primeiro, lol! Quando me embrenho na fantasia, embrenho-me mesmo!
Sempre é escape, certo?


Morgana:
Isso queria eu, dar uma abébia ao vampiro para ver se... Há que tentar! LOL!

7/3/10 02:53  
Blogger Psiquê disse...

Ah, lembro-me bem desse vampiro :)

Há alguns anos atrás, numa das minhas visitas a Lisboa, quis ir á feira popular e cheguei a ir a essa casa, com curiosidade de saber porque é que as pessoas saíam de lá sempre a correr e a gritar...Mas não tive sorte com o grupo que me calhou...uma menina com medo (mas tenho a certeza que não eras tu!) entrou em pânico e no lugar de a tirarem de lá, preferiram abrir as luzes a meio do caminho, acalmá-la e continuar mas com um espectáculo mais "soft", não fosse ela ter outro ataque. Ora, no final, até o homem louco da motoserra "fingiu" que a ligava, ou seja, ligou e desligou logo a seguir. Conclusão: fomos o unico grupo a sair daquela casa a passos lentos e decepcionados...

8/3/10 21:32  
Blogger katrina a gotika disse...

Coitada da Psiquê!
Claro que eu não sou de estragar o espectáculo para os outros! Ademais, o pânico estava super-controlado, acredita. Dir-se-ia ser mesmo um pânico "auto-induzido".

Deviam-te ter dado outra "viagem", grátis, e com direito a escolta vampiresca. ;)

9/3/10 04:06  
Blogger ebola disse...

Excelente recordação, esta...
E um vampiro Katrina, não se pode perder a oportunidade ;)

11/3/10 10:34  
Blogger Triñ disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

12/3/10 19:02  

Enviar um comentário

Links to this post...

Criar uma hiperligação

<< Home



Animais de Rua - Projecto de Esterilização e Protecção de Animais Sem Lar

União Zoófila

Powered by Blogger




site search by freefind advanced




My blog is worth $22,017.06.
How much is your blog worth?