quinta-feira, setembro 24, 2009

Outono?

Parece que o outono tarda em chegar, e ainda bem. Ao contrário do verão passado, este foi um bom verão. Quente e produtivo. Como eu gosto. Não que tenha aproveitado o verão em si. De facto nem dei por ele. De facto, não estou a dar pelo tempo que faz, nem que fez, nem que fará, nem o que passa e muito menos o que fica. Who cares? Às vezes é realmente demasiado tarde, e quanto mais tarde é mais tarde se faz. Mas foi um bom verão, quente e produtivo, exactamente por não o ter aproveitado no exterior mas no interior.
É curiosamente nos meses quentes que tenho tendência a pôr-me a escrever, como se o calor me inspirasse. Não vejo explicação para isto.
Excepto uma. A infância de verões e verões fechada em casa, sem nenhum sítio para onde ir, a obrigar-me a procurar no interior da imaginação a distracção para os dias que teimavam em não passar? Talvez. Talvez tudo se resuma enfim à análise psicanalítica do somatório das experiências de infância. Talvez a alma se possa dissecar, afinal, como se disseca um corpo e se lhe descobre a doença que o matou. Talvez não haja alma nenhuma, só o somatório de experiências, e no fim da vida se possa dizer: a alma deste fulano foi corroída pela cirrose do tédio, a deste sicrano morreu de ataque de coração partido, e etc, etc. E a alma não passe de mais uma espécie de corpo igualmente biodegradável.
Talvez a alma também morra de velha.

Etiquetas:

5 Comentários:

Blogger skunk disse...

http://www.snopes.com/religion/soulweight.asp

24/9/09 18:22  
Blogger Ruela disse...

O Verão dá-me cabo da mioleira ;)
sou mais produtivo no Inverno.


bjs.

24/9/09 22:58  
Blogger amigona avó e a neta princesa disse...

O Outono só está à espera que as elições acabem!...tudo de bom...

26/9/09 22:58  
Blogger DaucusKarota disse...

Gostei bastante deste teu pequeno texto, principalmente no que respeita à tua relação com o tempo...

Agora:
"De facto, não estou a dar pelo tempo que faz, nem que fez, nem que fará, nem o que passa e muito menos o que fica. Who cares? Às vezes é realmente demasiado tarde, e quanto mais tarde é mais tarde se faz"

Antes:
"[...] procurar no interior da imaginação a distracção para os dias que teimavam em não passar"

São aquelas sensações que, volta e meia, se instalam na nossa barriga:
por um lado o tempo não passa, por outro já é tarde, sendo a actividade - escrita ou outra - a forma de anestesiar - não o ver - esse enjoo existencial... sem nunca o resolver, até porque este desequilíbrio é, neste caso, o motor da criatividade.
Talvez a questão não esteja tanto no tal somatório de experiências, nem seja algo especialmente ligado à infância (o que é que no humano não se liga à infância?), mas antes, algo relacionado com a forma como vivemos e sentimos o tédio, o isolamento, a rotina... e como é que interpretamos essa mesma relação. No fundo, a capacidade para lidamos connosco próprios: algo como, sou bom companheiro de mim mesmo?

É por ter pensado acerca destas coisas que gostei de ler este texto!

29/9/09 14:13  
Blogger katrina a gotika disse...

Obrigada, daucus, também gostei do teu comentário.

1/10/09 02:43  

Enviar um comentário

Links to this post...

Criar uma hiperligação

<< Home



Animais de Rua - Projecto de Esterilização e Protecção de Animais Sem Lar

União Zoófila

Powered by Blogger




site search by freefind advanced




My blog is worth $22,017.06.
How much is your blog worth?